Notícias

Mulheres em Foco | Deborah Telesio

Entrevista com Deborah Telesio - Vice President Region South AmericaElekta Medical Systems LTDA“O grande desafio para qualquer profissional é buscar a melhor formação possível” Nesta entrevista, Deborah Telesio revela detalhes sobre sua carreira como executiva de Marketing e opina sobre diversidade, equidade de gênero, alinhamento de remuneração, acolhimento à maternidade, entre outros temas sociais relevantes no momento.Formada em Comunicação pela Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP), com MBA Executivo Internacional pela Universidade de São Paulo (USP), Deborah Telesio, é vice-presidente da Elekta, onde, nos últimos seis anos, vem conduzindo negócios na indústria de Saúde na América Latina. A executiva acumula mais de 20 anos de experiência em Marketing, tendo atuado em empresas multinacionais do ramo de alimentação, entretenimento e saúde, incluindo vivência internacional de três anos no Chile, como diretora de Marketing de uma multinacional da área de alimentação. A Elektra é uma das empresas que lideram o segmento de radioterapia de precisão, e atua para oferecer os melhores tratamentos aos pacientes de câncer. Com sede em Estocolmo, Suécia, a empresa conta com uma equipe global de 4.700 colaboradores, distribuídos pelos escritórios localizados em mais de 120 países.Gostaríamos de começar falando sobre seu atual cargo, como vice-presidente para América Latina da Elekta. De modo geral, quais são suas principais responsabilidade neste posto?A Elekta é uma empresa de tecnologia em radioterapia, voltada, principalmente, ao tratamento contra o câncer. Lidamos com vidas. Por isso, minhas responsabilidades vão além do próprio negócio. Temos mais de 200 equipamentos de radioterapia em operação no país e o compromisso de garantir que eles funcionarão continuamente e que trabalharemos em parceria com nossos clientes. A Elekta tem toda a sua base instalada com acesso digital, o que garante rapidez de resposta e atenção preventiva. Portanto, uma das minhas responsabilidades é desenvolver o melhor time de atenção ao cliente – aqueles que tratam os pacientes – em todo o ciclo de relacionamento. Desde a definição das melhores soluções para cada cliente até o pós-venda. Assim como todos na emp

Paper Position: Cuidados em Saúde baseados em valor

O tema da medicina baseada em valor (Value-Based Healthcare/VBHC) – alvo de uma das matérias desta edição – é tão relevante, que a ABIMED já vem adotando iniciativas de produção de conteúdo informativo há tempos. Lançado em maio de 2021, o Position Paper "Cuidados em Saúde Baseados em Valor", apresenta conteúdo detalhado sobre o assunto. O objetivo é mostrar o papel da indústria como facilitador, fornecendo novas tecnologias mais custo-efetivas e auxiliando no treinamento para que os profissionais responsáveis adquiram melhor técnica capaz de entregar desfechos satisfatórios.Elaborada pelo Comitê Valor em Saúde ABIMED, a publicação está disponível para download aqui, e também foi alvo de uma das edições do webinar Diálogos ABIMED, realizado quando de seu lançamento, e que pode ser visto no canal da ABIMED no YouTube. Na ocasião, o presidente-executivo da Associação, Fernando Silveira Filho, ressaltou que a publicação marca a entrada efetiva da ABIMED nas conversações e entendimentos acerca do assunto Valor em Saúde no País. “Fazemos isso, em primeiro lugar por coerência com o nosso a propósito que é contribuir de forma contínua para o acesso da população às tecnologias avançadas para a saúde visando a qualidade de vida e longevidade das pessoas. Em segundo lugar entendemos que a nossa indústria tem um grande potencial de agregar valor ao cuidar do paciente, impactar a qualidade e o custo gl

Uso racional de energia reduz impactos ambientais

Eficiência energética e sustentabilidade andam de mãos dadas. No caso de empreendimentos de grande porte, como hospitais, essa relação é ainda mais sensível. O alto consumo de energia durante 24 horas por dia e pressões da demanda fazem com que o consumo de energia elétrica seja crucial em hospitais. Por isso, o que pode ser feito quando pensamos em uso racional com vistas a reduzir o impacto do empreendimento sobre o meio ambiente? Diferentemente de muitas indústrias e edifícios de serviços, hospitais não têm o poder de decidir reduzir o uso de lâmpadas, ar-condicionado e computadores em determinados momentos do dia. Por isso, cortar gastos não é uma tarefa simples. Para sair desse impasse é preciso usar a tecnologia a favor – tanto na área técnica quanto financeira e de gestão. Com conhecimento pormenorizado a respeito do real uso de energia dentro do hospital, responsabilidade e criatividade, é possível reduzir os gastos sem prejuízo à atividade. Em primeiro lugar, é preciso ter em mente que estar bem-preparado em termos de eficiência energética implica pensar não só na energia fornecida pela rede pública, mas também em gás, água e diesel para as usinas geradoras. A gestão desses recursos precisa estar integrada em um único plano energético, que leve em conta os gastos reais do passad

Gestão ambiental nas instituições de saúde

A gestão ambiental é uma questão central para as instituições de saúde, especialmente por se tratar de um setor com alta geração de materiais descartados, sendo parte significativa desses classificada como resíduos tóxicos. A coleta seletiva de todos os materiais e o descarte correto do lixo hospitalar fazem parte das políticas de responsabilidade social e ecológica, mas outras medidas integram essa política de gestão ambiental. O uso rac

Compliance da saúde no mundo pós-Covid

A pandemia fez os olhos de todo o mundo se voltarem para o setor da saúde. Hospitais, laboratórios de diagnósticos e afins tornaram-se, em 2020, centros de convergência de demandas e expectativas sociais nos cinco continentes. Outro universo a ganhar atenção no período foi a governança empresarial, tanto nos aspectos ambiental e social quanto no corporativo. Mas como essas duas tendências se comunicam? Para as empresas do segmento, a combinação desses fenômenos é crucial. Essa convergência já está acontecendo, e deve se intensificar nos próximos anos. De acordo com o estudo “O mercado Global de Governança, Riscos e Compliance até 2025”, desenvolvido pela Bravo Research, o mercado de Governança, Riscos e Compliance (GRC) no Brasil terá um crescimento anual médio de 10,8% no setor de saúde até 2025, atrás
Página 3 de 331)

Desenvolvido por MakeIT Informática